30
Jul 09

 Há viagens sem regresso nem repetição

 
Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 128
Editor: Oficina do Livro
ISBN: 9789895554645
 

"Na verdade, o deserto não existe: se tudo à sua volta deixa de existir e de ter sentido, só resta o nada. E o nada é o nada: conforme se olha, é a ausência de tudo, ou, pelo contrário, o absoluto. Não há cidades, não há mar, não há rios, não há sequer árvores ou animais. Não há música, nem ruído, nem som algum, excepto o do vento de areia quando se vai levantando aos poucos - e esse é assustador."

 

 

"Tudo o que se diz de desnecessário é estúpido, é um sinal destes tempos estúpidos em que falamos mais do que entendemos. No deserto, não há muito a dizer: o olhar cega e impõe o silêncio."

 

 

"Aprendi que é preciso dar tempo aos outros para olharem."

 

 

"Todos têm terror do silêncio e da solidão e vivem a bombardear-se de telefonemas, mensagens escritas, mails e contactos no Facebook e nas redes sociais da Net, onde se oferecem como amigos a quem nunca viram na vida. Em vez do silêncio, falam sem cessar; em vez de se encontrarem, contactam-se, para não perder tempo; em vez de se descobrirem, expôem-se logo por inteiro: fotografias deles e dos filhos, das férias na neve e das festas de amigos em casa, a biografia das suas vidas, com amores antigos e actuais. E todos são bonitos, jovens, divertidos, "leves", disponíveis, sensíveis e interessantes. E por isso é que vivem esta estranha vida: porque, muito embora julguem poder ter o mundo aos pés, não aguentam nem um dia de solidão. Eis porque já não há ninguém para atravessar o deserto. Ninguém capaz de enfrentar toda aquela solidão."

 

Miguel Sousa Tavares, «No teu deserto»

 

 

 

 

"No teu deserto" tem 128 páginas e, segundo o escritor, é "quase um diário de viagem" ou "quase um romance de amor". Foi um livro que escreveu ao longo de ano e meio, "essencialmente pelo muito prazer de escrever", e que lhe causou menos sofrimento do que a escrita dos livros anteriores.

 

Trata-se de um curto relato de uma viagem que o autor, assumindo-se como narrador durante a maior parte da história, fez ao norte de África, tendo como companhia uma mulher que, até então, era uma desconhecida para ele. Passados vinte anos, um melancólico e saudoso Sousa Tavares recupera os detalhes daqueles dias como um tributo a essa jovem mulher (que entretanto morreu), devolvendo-lhe, através da escrita, a memória da sua existência e a do "deserto" que os uniu.

 

OPINIÃO:

 

É um livro que se lê rapidamente e sem esforço. Em alguns momentos senti que podia haver um maior desenvolvimento, tanto a nível da descrição de paisagens, situações, lugares, e até de diálogos, mas isso depende sempre das expectativas de cada um.

Gostaria que o "quase romance" de MST se tornasse num "romance" e nos brindasse com mais detalhes desta história simples e envolvente.

Apesar de tudo isso adorei o livro.

 

CLASSIFICAÇÃO: 4/5


Dazzling Books
Próximas viagens
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
25

26
27
28
29
31


pesquisar
 
Viagens de 2009
Daisypath
A viajar pelas páginas de...José Saramago
Ensaio sobre a cegueira
bookcrossing.com
Bookcrossing meet-up http://www.bookcrossing.com/mybookshelf
comentários recentes
Acabadinho de ler...http://numadeletra.com/nunca-m...
Veja a resenha de Juliano Klevanskis sobre "A Insu...
A propósito de Kenzaburō Ōe:http://numadeletra.com...
Tens que ler!! O Quarto Arcano é espectacular. Os ...
Muito interessante o blog! Gostaria de aproveitar ...
É um livro bastante interessante!
Fiquei curiosa em relação a este livro...bjs
Olá Ana! Este foi o 1º livro que li do autor, pois...
Já li este livro à uns anos atrás e gostei, embora...
Apesar de não ser grande apreciadora de livros de ...